LINGUAGEM NÃO VERBAL A COMUNICAÇÃO DO CORPO QUE VAI ALÉM DAS PALAVRAS.

Atualizado: 21 de jun. de 2020


O presente trabalho é baseado em fontes bibliográficas originárias dos campos da psicologia e da comunicação. O interesse na criação deste tema surgiu após reflexão de leituras sobre a linguagem do corpo, despertando a curiosidade de averiguar, compreender e esclarecer algumas ideias a cerca desta relação interna enfatizando a atenção para linguagem do corpo e as diferentes formas de comunicação não-verbal (gestual e visual). Além disso, observar e descrever como uma contribui para o fortalecimento da outra, fortalecendo a credibilidade nas informações.

Palavras chave: Linguagem, Comunicação verbal, Comunicação não-verbal, Sentimentos, Emoções.

INTRODUÇÃO

"Nenhum ser humano é capaz de esconder um segredo. Se a boca se cala, falam as pontas dos dedos." - Sigmund Freud

A comunicação é fundamental nas relações pessoais. Pode ser feita de várias maneiras, no entanto, só existe entendimento quando, realmente, a mensagem é recebida com o mesmo sentido com o qual ela foi transmitida. A comunicação sofre interferências na interpretação, principalmente quando ela é escrita e enviada através dos meios de comunicações mais atuais, como WhatsApp, Messenger e e-mail, pois fica sujeita ao estado emocional do receptor. A comunicação não é somente a linguagem verbal e escrita, ela é feita em grande parte pela linguagem não-verbal. O importante é que a linguagem verbal e a não-verbal estejam em concordância uma com a outra, de forma que a comunicação seja um processo completo e coerente.

Sem percebermos, em várias ocasiões, transmitimos uma mensagem verbal diferente da mensagem corporal, o que na maioria das vezes dificulta a compreensão da sua mensagem. O nosso corpo fala todo tempo, nas expressões do rosto, olhares, gestos, posturas, tom e ritmo da voz. Por isso, é importante que entendamos a linguagem não-verbal.

Costumamos nos relacionar com outras pessoas todos os dias, no transporte público, empresa, escola, residência, festas e etc., sem se dar conta da importância de nossa linguagem corporal. No entanto, a capacidade de ler as mensagens não verbais e usá-las a nosso favor, é uma peça-chave para o sucesso de uma boa convivência e está intimamente ligado ao poder da comunicação, ou seja, tal resultado é a consequência da boa compreensão da comunicação entre nós e as outras pessoas.

O poder da comunicação consiste exatamente em que ela seja assertiva, e por mais clara que esta possa ser, sempre vai envolver subjetividade, pois este processo consiste em relações humanas, na qual tem como decodificador da comunicação a percepção, o emocional e os órgãos sensoriais: a visão, o tato, o paladar, o olfato e audição.

Vamos fazer um breve relato histórico dos primeiros estudos sobre a linguagem corporal, Desenvolvimento da linguagem, Componentes da comunicação, Definição da comunicação não verbal, Características e importância na observação das relações interpessoais e alguns indicadores mais populares de linguagem corporal.

O artigo foi elaborado tendo em vista a importância da linguagem não verbal na comunicação interpessoal. Ao se propor esta argumentação, o olhar da Psicologia adquiriu importância no entendimento das dificuldades e vantagens dessa espécie de linguagem.

Compreender e lidar com as emoções é um desafio para todos, a Linguagem Corporal é um dos caminhos pelo qual pode-se atingir o objetivo de aprender a lidar e assim melhorar a capacidade de compreensão entre a sociedade. Aprofundar-se na interpretação da Linguagem Corporal é fundamental para exercer a Psicologia com mais profundidade, a partir desse conhecimento temos acesso a uma quantidade maior de indicadores que nos informam sobre o estado emocional dos interlocutores. O objetivo da pesquisa é mostrar como pode ser útil a observação da Linguagem Corporal para o psicólogo e conceituar essa comunicação.

OS PRIMEIROS ESTUDOS.

Charles Darwin realizou os primeiros estudos científicos sobre linguagem corporal e foram publicadas no livro “A expressão das emoções em homens e animais ”. Darwin defendia que os mamíferos demonstravam suas emoções através de expressões faciais.

Ainda, segundo Darwin, as emoções são universais, uma vez que pessoas de diferentes regiões do mundo soa capazes de identificar as mesmas expressões para determinada emoção.

Antes do homem aprender a escrever e a falar, a linguagem corporal foi uma das primeiras formas de comunicação humana e continua sendo uma das mais fortes e expressivas, vem sendo utilizada há milhões de anos e está relacionada principalmente ao sistema límbico (mesencéfalo), a segunda estrutura mais primitiva do nosso cérebro.

Podemos dar como exemplo a importância da linguagem corporal na língua brasileira de sinais, pois para que a comunicação seja efetiva existe a necessidade de expressões faciais e corporais para que a mensagem seja interpretada de forma correta.

A linguagem verbal existe há mais de 40.000 anos e a escrita há 4.000 anos, e só através do desenvolvimento de uma complexa estrutura cerebral denominada de neocórtex é que foi possível o surgimento destas formas de comunicação. Utilizando o neocórtex, como seres humanos, podemos escolher palavras, criar imagens, fazer abstrações e mentir, porém, é o sistema límbico, responsável pelos sentimentos, enviar impulsos elétricos ao corpo, gerando expressões e movimentos, muitas vezes sem nos darmos conta deles.

Como seres humanos, escolhemos palavras, criamos imagens e fazemos abstrações utilizando o neocórtex. Porém o sistema límbico responsável pelos sentimentos, envia impulsos elétricos ao corpo, gerando expressões e movimentos que muitas vezes são involuntários.

O sistema reptiliano, é uma estrutura mais antiga e primitiva do cérebro, localizada no talo cerebral, controla as funções corporais e regula nossas necessidades de sobrevivência: batimentos cardíacos, respiração, digestão e reprodução. A linguagem corporal pode se manifestar estimulada também por esta estrutura.

Albert Mehrabian (1950), psicólogo pioneiro em pesquisas sobre linguagem corporal, apurou que a mensagem na comunicação interpessoal é transferida na seguinte proporção:

· 7% - Verbal (somente palavras);

· 38 % - Vocal (incluindo tom de voz, velocidade, ritmo, volume e entonação);

· 55% - Não - Verbal (incluindo gestos, expressões faciais, postura e demais informações expressas sem palavras).

Ray Birdwhistel, antropólogo, outro pioneiro no estudo da comunicação não - verbal, descobriu que as palavras correspondem menos de 35% das mensagens transmitidas numa conversa frente a frente, os gestos e as expressões faciais falam muito mais do que as palavras. O restante em torno de 65% da comunicação é feito de maneira não - verbal.

Quando crianças aprendemos a identificar algumas expressões faciais, gestos e posturas e também ao longo da vida aprendemos várias outras expressões. Porém devido à linguagem corporal não fazer parte do sistema educacional tradicional e ainda hoje ser pouco estudada e difundida, uma grande variedade de gestos passam despercebidos.

Bruno Santos da Silva, especialista em Linguagem Corporal, fala também que a comunicação é o primórdio de nossa evolução, estando presente em cada momento de nossa evolução, sendo altamente poderosa na comunicação não verbal, sendo ela que revela as primeiras intenções e as mentiras que são aparentes nas incongruências cognitivas. "Apenas 7% de nossa comunicação é verbal, por palavras, os outros 93% é não verbal, por gestos.

As empresas buscam pessoas com maior capacidade de relacionamento interpessoal, e nas entrevistas de seleção torna-se mais frequente a utilização de dinâmicas e técnicas que envolvam a interação entre indivíduos, o mais importante durante o processo de seleção não é somente o que se fala, mas observar como se fala, ou seja, as expressões não verbais contam muito.

Quando uma pessoa diz algo, porém através de sua linguagem corporal demonstra o que realmente pensa, ela provavelmente tem suas razões para estar omitindo a verdade, assim como confirma Aguiar (2004).


SENTIMENTOS E EMOÇÕES

São o que seres biológicos são capazes de sentir nas situações que vivenciam. Por exemplo, medo é uma informação de que há risco, ameaça ou perigo direto para o próprio ser ou para interesses correlatos. A empatia é informação sobre os sentimentos dos outros.

Os sentimentos são únicos aos seres humanos, podemos considera-los uma evolução das emoções. O sentimento é uma auto percepção do próprio corpo, acompanhada pela percepção de pensamentos com determinados temas e pela percepção de um modo de pensar.

Uma emoção propriamente dita é um conjunto de respostas químicas e neurais que formam um padrão diferente do habitual. Estas respostas são produzidas quando o cérebro normal, recebe um estimulo que “quebra” esse “equilíbrio”, desencadeando a emoção.

· Emoções primárias: são consideradas inatas ou “reflexas”, estas são comuns a todos so seres humanos, independentemente de fatores sociais ou socioculturais. Deste grupo fazem parte as emoções básicas ou elementares, como: alegria, tristeza, medo, nojo, raiva e surpresa.

· Emoções secundárias ou sociais: são mais complexas que as primárias, estas dependem de fatores e variáveis socioculturais. Estas podem variar amplamente e radicalmente entre culturas e/ou sociedades. Exemplos dessas emoções, é possível enumerar: a culpa, a vergonha, a gratidão, a simpatia, a compaixão, o orgulho, a inveja, o desprezo, o espanto, etc.

· Emoções de fundo: estas estão relacionadas com o bem-estar ou com o mal-estar interno. Estas são induzidas por estímulos internos, com origem em processos físicos ou mentais, levando o organismo a um estado de tensão ou relaxamento, fadiga ou energia. Estas emoções expressam-se em alterações musculo esqueléticas, refletindo-se em variações na postura e nos movimentos.

A tristeza é uma das emoções de mais longa duração. Após um período de angústia, há, em geral, um período de tristeza resignada, em que a pessoa se sente totalmente desamparada. Em seguida, novamente, a angústia, retorna. Segundo o psicólogo Paul Ekman, quando as emoções são suaves ou moderadas, podem durar poucos segundos ou alguns minutos, até outra emoção ser sentida. No entanto, no caso de uma perda intensa, sempre pode haver uma tristeza de fundo ou um estado de ânimo difórico, até que, ao longo do tempo, esse estado começa a desvanecer, à medida que o processo de luto termina.

Às vezes um simples movimento de braços cruzados durante uma conversa pode significar muita coisa, mas é preciso entender o que está acontecendo ao seu redor.

Se identifica uma tristeza, com a seguinte expressão facial: cantos da boca caído; bochechas levantadas, como se estivesse apertando os olhos, puxado em oposição aos cantos da boca; olhar abaixado; pálpebras superiores pendentes, os cantos internos das sobrancelhas puxados para cima, no meio da testa

É muito difícil para um psicólogo especializado em linguagem corporal trabalhar com pacientes que mentem o tempo todo, mas, ao mesmo tempo este é um aspecto positivo de se ter essa especialização, pois o profissional saberá quando a linguagem do paciente está coerente com o que ele diz.

Quando o psicólogo percebe que o paciente não está sendo verdadeiro, ele pode aos poucos ir tentando descobrir a verdade, de uma forma que o paciente consiga falar a verdade sobre suas emoções sem descobrir que na verdade ele foi de forma discreta levado à verdade.

Um dos erros mais comuns é procurar por sinais isolados para entender determinada comunicação não-verbal, pois para entender o que está acontecendo ou sendo transmitido é preciso ficar atento a uma série de sinais e fatores ambientais que vão influenciar o comportamento da pessoa durante o processo da comunicação.


JULGAMENTOS

Fazer a leitura corporal de uma pessoa que conhecida é relativamente fácil. Se basear nos hábitos que você já conhece vão facilitar a identificação dos sinais.

Se não existe um bom relacionamento com a pessoa avaliada, poderá interferir na análise da linguagem corporal, é preciso ter consciência sobre quais os efeitos aquela pessoa causa em você e saber eliminá-los na hora da análise.

Utilizada de maneira adequada, a linguagem corporal pode reforçar e enfatizar a mensagem oral, pode contemplar ou concluir raciocínios.

Existem sete expressões inatas: raiva, alegria, tristeza, surpresa, medo, aversão e desprezo.

Estas expressões inatas estão presentes em todas as culturas e em todas as épocas da história, registradas em estátuas e pinturas em estátuas. São percebidas inclusive em crianças que nasceram cegas e nunca a observaram em outra pessoa.

A maior parte da nossa comunicação é feita por meio da linguagem corporal, tom de voz, movimentos e gestos. Todas essas coisas juntas, tais como expressões faciais, entonações de voz, velocidade da fala, andar, como se coloca no mundo, como mantém o contato olho no olho, o quão rápido se move e até mesmo a respiração, dizem sobre nós somos.


DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM

Nossos ancestrais mais primitivos, os homens das cavernas, já se comunicavam por meio da linguagem rudimentar desenvolvida por meio de gestos, sons, expressões e grunhidos. A história da comunicação humana permeia a história da própria humanidade e do processo evolutivo de todos nós.

O sumério, por volta de oito mil anos atrás, criou os primeiros escritos e desenhos rupestres, feitos com tintas naturais, pintadas nas paredes de suas cavernas. Em uma época bastante remota, por meio destas ilustrações eles demonstravam como pensavam e como era o seu dia a dia, através de:

· Imagens de rituais sagrados,

· Animais,

· Momentos de caça,

· Utensílios criados e usados por eles, etc.,

Estas imagens ficaram marcadas nas paredes da história e hoje servem para nos mostrar que mesmo sem palavras, naquela época, já se conseguia uma comunicação clara.

Há alguns milhares de anos o homem escrevia nas paredes das cavernas pré-históricas, hoje criamos diversos idiomas e formas de linguagem que expressam claramente nossas ideias e vontades e fazemos isto através da escrita em smartphones, computadores e tablets de última geração, que em poucos instantes, comunicam ao mundo o que estamos pensando.

Entretanto, é importante lembrar que nada disso seria possível se nossos antepassados não tivessem buscando formas de comunicação verbal e não verbal que expressassem seu cotidiano e que comunicassem a nós como era seu modo de vida.

COMPONENTES DA COMUNICAÇÃO

São componentes do processo de comunicação o (a):

· Emissor da mensagem,

· Receptor, a mensagem em si,

· Canal de propagação,

· Meio de comunicação,

· Resposta (feedback) e

· Ambiente onde o processo comunicativo acontece.

Em relação à forma, a comunicação pode ser:

· Verbal – Comunicação através da fala propriamente dita, formada por palavras e frases. Tem suas dificuldades (timidez, gagueira, etc.), mas ainda é a melhor forma de comunicação.

· Não-verbal – Comunicação que não é feita por palavras faladas ou escritas. Usam-se muito os símbolos (sinais, placas, logotipos, ícones, emojis) que são constituídos de formas, cores e tipografias, que combinados transmitem uma ideia ou mensagem.

· Linguagem corporal (gestual) – Corresponde a todos os movimentos gestuais e de postura que fazem com que a comunicação seja mais efetiva. A gesticulação foi a primeira forma de comunicação. Com o aparecimento da palavra falada os gestos foram tornando-se secundários, contudo eles constituem o complemento da expressão, devendo ser coerentes com o conteúdo da mensagem.

A expressão corporal é fortemente ligada ao psicológico, traços comportamentais são secundários e auxiliares. Geralmente é utilizada para auxiliar na comunicação verbal, porém, deve-se tomar cuidado, pois muitas vezes a boca diz uma coisa, mas o corpo fala outra completamente diferente.

· Comunicação mediada – Processo de comunicação em que está envolvido algum tipo de aparato técnico que intermedia os locutores.

Toda essa inovação nas formas de comunicação, fez com que a humanidade passasse a viver de uma forma totalmente nova, onde as fronteiras físicas deixam de ser obstáculos na comunicação entre os povos. Formas que até alguns anos eram impensáveis, passam a fazer parte do nosso dia a dia.


COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL

A comunicação verbal serve para transmitir informações entre indivíduos, tendo estas informações um caráter informativo. Já a comunicação não-verbal é caracterizada pelo uso de gestos, da mímica, do olhar, da voz e dos sinais paralingüísticos, da organização espacial e da localização, que são determinantes de uma relação interpessoal dos indivíduos. Organização espacial, é a distância que separa o emissor do receptor e se acha determinada por um conjunto de regras que refletem a mensagem e as interações dos interlocutores. O espaço é convencionado por todo um sistema de sinais que varia conforme os grupos sociais e culturais.

A distância é um grau regulador de intimidade na relação dos interlocutores, ela exerce influência na transmissão da informação pela utilização de diversos canais.

Localização, é um indicador do tipo de relação que a pessoa deseja ter com seu interlocutor, ela também modula a mensagem transmitida e indica status privilegiado. Indica também que estas pessoas gostariam ou detém um certo prazer no grupo.

Os gestos, precedem ou acompanham o comportamento verbal. São controlados pelas normas sociais e estão ligados aos modos. Cada emoção exprime-se num modelo postural que reflete essa tensão ou esse relaxamento. Por exemplo, pessoas em uma determinada postura que costumam frequentemente mexer um ou os dois pés, é um dos indicativos de ansiedade. Assim como a postura dos braços cruzados é um indicativo de fechamento racional.

As mímicas, são os “gestos do rosto”. Um observador pode ver no rosto informações sobre a personalidade e a história de seu interlocutor, mas isso gera também muitos erros.

As mímicas são específicas do meio social, da região em que a pessoa foi educada. Por exemplo, é comum o japonês sorrir quando está embaraçado, enquanto no brasileiro o sorrir é uma manifestação comum de alegria.

O olhar, a sua expressão é tão variada e difícil de controlar que é também difícil dominar as intenções mais ocultas. O olhar parece ter dupla função:

· Indica a quem se dirige a comunicação.

· Constitui um indício da atenção dada.

Não existe interação na comunicação sem troca de olhar, o contato com os olhos marca a interação intensa.

Um exemplo de interação feito com o do olhar é o do vendedor frente a seus clientes. Ele fixa o olhar no seu cliente submetendo a este uma condição de submissão na comunicação.

A voz e os sinais paralingüísticos, transmitem aspectos da personalidade assim como estado de espírito da pessoa que se fala. Um indivíduo traz no seu registro de voz a marca quase irreversível de seu grupo social e cultural. O timbre de voz, o ritmo, a fluência, a intensidade depende do controle emotivo.

SEU CORPO TAMBÉM FALA, POR ISTO A COMUNICAÇÃO NÃO DEPENDE SÓ DE PALAVRAS

A linguagem corporal pode parecer abstrata, misteriosa e dependente de um processo interpretativo. Seu uso, entretanto, é tão importante para a comunicação quanto o domínio da linguagem verbal.

Na psicologia, a linguagem corporal é fundamental para indicar emoções que não foram ditas pelas palavras. Quando um paciente mente ou omite alguma coisa, o psicólogo é capaz de entender as razões por trás deste comportamento, trabalhando de forma que, pouco a pouco, o paciente consiga falar a verdade sobre suas emoções.

Além disso, personalidades como psicopatas, sociopatas, perversos, não apresentam expressão nenhuma, uma vez que não demonstram sentimentos. Com a correta leitura da linguagem corporal, a psicologia é capaz de identificar essas pessoas.

Diversos movimentos do nosso corpo não são conscientes, e não há como controlá-los enquanto não os percebemos. Tais movimentos podem ser interpretados de várias maneiras e podem nos dizer muito sobre quem observamos, sendo importante em muitas relações de nossas vidas, contanto que saibamos o que cada um deles significa.

Alguns indicadores da linguagem corporal:

· Uma boa forma de saber se uma pessoa está confortável com você é reparar na proximidade física que é mantida por ela. Então, para saber se alguém se sente bem com a sua presença, sente-se perto dela ou esbarre levemente e observe sua reação.

· Olhar para baixo - Olhares costumam mostrar mais emoção do que qualquer palavra ou movimento do corpo. Uma das maneiras mais comuns de manifestar tristeza é desviar o olhar para baixo - mesmo que a pessoa tente esconder com um sorriso, por exemplo. Esse tipo de linguagem corporal também pode indicar vergonha ou desconforto.

Pessoas que olham constantemente para os lodos são muito nervosas, mentirosas ou distraídas. No entanto, se uma pessoa desvia o olhar do interlocutor, pode ser um sinal de desconforto ou submissão. Olhar de soslaio geralmente significa que a pessoa está desconfiada ou não está convencida do que está ouvindo.

Se alguém olha muito para o chão, provavelmente é tímido ou reservado. As pessoas também tendem a olhar para baixo quando estão chateadas ou tentando esconder algo emocional.

Pupilas dilatadas significam que a pessoa está interessada. Tenha em mente, entretanto, que muitas drogas causam dilatação das pupilas, como álcool, cocaína, anfetaminas e LSD. Não confunda uma bebedeira com atração.

Se o olhar parecer distante, é sinal de que a pessoa está em profunda reflexão ou não está ouvindo.

· Mãos incansáveis - Como um sinal de impaciência, as pessoas tendem a mover suas mãos incontrolavelmente, algumas vezes "batucando" em mesas ou em suas pernas. Se você está conversando com alguém e a reação é a citada anteriormente, é provável que você não esteja sendo ouvido completamente.

· Pernas incansáveis - Da mesma forma que as mãos, pernas se movendo freneticamente, seja cruzando e descruzando as pernas ou batendo com os pés em um ritmo frequente, também mostram impaciência.

· Mãos na cintura - Esse sinal corporal precisa de atenção. Se alguém está com as mãos na cintura significa que toda a paciência foi perdida ou que provavelmente está muito bravo.

· Coçar a cabeça - Geralmente, o ato de coçar a cabeça é atribuído a dúvidas e confusão. Porém, pode ter mais de um significado: em áreas onde a violência é predominante, como em prisões ou lutas de UFC, as pessoas aproximam seus rostos e encostam suas cabeças uma na outra como uma forma de desafio.

· Segurar as mãos atrás das costas - Este é um dos sinais mais confusos presentes nesta lista. Pode ser um sinal de respeito, como as pessoas são ensinadas no exército, ou um sinal de poder, como na máfia. É preciso ter atenção em outros sinais para conseguir diferenciar o significado deste em específico.

· Mãos fechadas como punhos - Quando nervosas e frustradas, as pessoas tendem a fazer esse sinal. Como uma forma de indicar violência, é provável que, ao discutir com alguém que se encontra com as mãos fechadas dessa maneira, as coisas deem errado.

· Tocar - Com um significado quase universal, porém vastamente diferente, o ato de tocar alguém – quando de maneira não violenta – significa, na maioria das vezes, que a pessoa está confortável com você.

· Braços cruzados - Normalmente, cruzar os braços é visto como uma maneira de demonstrar irritação. Porém, na verdade, esse ato é normalmente usado como uma posição defensiva. Em geral, demonstra desconforto e é uma forma de confortar a si mesmo. Pode, também, indicar que a pessoa é reservada, desconfortável com a sua aparência (auto estima baixa). Se os braços estão cruzados enquanto seus pés estão alinhados com os ombros, trata-se de uma posição de resistência ou de autoridade.

Se alguém repousa os braços atrás do pescoço ou da cabeça, está demonstrando que está aberta ao que está sendo discutido ou está apenas descontraído.

Mãos nos quadris podem indicar espera, impaciência ou apenas cansaço.

Mãos fechadas ou cerradas indicam irritação, zanga ou nervosismo.

· Olhar para cima de felicidade - Comumente, após um atleta ganhar uma partida, marcar um ponto ou fazer um bom movimento, a primeira coisa que fazem é olhar para cima. Demonstra felicidade por conquistar algo que os alivia.

· Surpresa! - Ao levantar os olhos ou as sobrancelhas, a pessoa está claramente surpresa ou chocada com alguma situação. Não há outra interpretação possível para este sinal. Portanto, não é apenas uma linguagem corporal popular, mas é também muito facilmente identificada.

· Procurar em volta por algo melhor a fazer - Uma maneira comum de demonstrar tédio em uma situação é esta: olhar em volta, como se procurasse por algo mais interessante. Nem sempre é uma ação consciente. A pessoa pode não saber que não está interessada no assunto, porém acaba agindo dessa forma automaticamente, fazendo com que seja muito fácil identificar sua indiferença.

· Pisotear - Normalmente, esse tipo de linguagem corporal é mais utilizado por crianças quando estão bravas, mas alguns adultos acabam fazendo o mesmo eventualmente. Não só como um sinal de raiva, também é usado como uma maneira de intimidar.

· Limpar a garganta - Limpar a garganta não é apenas algo que fazemos quando estamos doentes. É também um sinal de ansiedade ou nervoso. Por exemplo, quando algum comediante faz uma piada e o público não demonstra ter gostado, é comum que ele limpe a garganta, como se tentasse desviar a atenção do recente ocorrido.

· Projetar o peito para frente - Essa é uma característica que os seres humanos copiaram dos animais. Muitas vezes, os homens projetam o peitoral para frente como uma maneira de intimidar o outro ou para parecerem mais fortes. Esse sinal também é demonstrado quando encontram uma mulher a quem se sintam atraídos.

· Observe como você anda - A linguagem corporal também pode ser analisada com pessoas em movimento, já que o jeito de andar pode dizer muita coisa. Por exemplo: alguém que está correndo está obviamente com pressa para chegar a algum lugar. Pessoas que andam com uma postura torta, curvada para baixo, mostram depressão.

· Fechar os olhos - Para mostrar frustração, irritação e impaciência, tornou-se muito comum que as pessoas fechem os olhos como um sinal, como se estivessem analisando seus pensamentos para lidar com os problemas.

· Esfregar os olhos pode mandar mensagens misturadas - Em geral, essa linguagem corporal demonstra cansaço. Mas, dependendo de como é utilizada, pode também mostrar desconforto com algo que foi dito por outra pessoa como um sinal de desgosto.

· Encarar - Há duas razões pelas quais as pessoas costumam encarar: atração é a razão principal. A outra é para passar dominância. Se você está encarando alguém e a pessoa responde ao olhar, o primeiro a quebrar o contato visual é o menos dominante.

· Gestos como escovar o cabelo para trás como so dedos pode indicar vaidade, atração por quem está ouvindo ou uma mostra de que os pensamentos estão em conflito como o que o outro diz. Se as sobrancelhas levantarem junto com o gesto de escovar o cabelo, pode ser que a pessoa não concorda com o que está sendo dito.

· Se a pessoa usa óculos e está constantemente a empurrá-los pra cima do nariz, com um pequeno gesto de franzir a testa, também pode ser uma indicação de que ela discorda do que está sendo dito, mas tenha cuidado de certificar-se que a pessoa empurra os óculos com a intenção e não apenas para ajustá-los casualmente.

Sobrancelhas baixas e olhos vesgos ilustram uma tentativa de compreender o que está sendo dito ou acontecendo. Geralmente trata-se de um olhar cético.

· É fácil reconhecer uma pessoa confiante: ela faz contato visual constante e tem uma postura forte. Ela também pode estufar o peito (vulgo peito de pombo).

· Se uma pessoa fala rápido, murmura ou não é clara sobre o que está dizendo, ela pode estar nervosa, mentindo, tentando ganhar tempo ou deixando de dizer a verdade plena (sendo vaga). Esteja ciente, entretanto, de que algumas pessoas realmente resmungam.

· Observe o rosto: ele geralmente emite uma contração muscular involuntária rápida e, as vezes subconsciente quando acontece alguma coisa que irrita, excita ou diverte.

· Quando uma pessoa fecha os olhos mais do que o tempo que leva para piscar, pode ser sinal de que ela está estressada, alarmada ou desesperada.

· Quando uma pessoa lambe os lábios, é um sinal de que gosta de você.

CONCLUSÃO

Considerando o conteúdo, foi possível aprender conceitos de comunicação verbal e não verbal. Tornou-se evidente a importância e necessidade de fusão entre as duas comunicações, visto que na comunicação verbal se transmite a informação e a comunicação não verbal é usada para manter uma relação interpessoal.

Como exemplo discordância entre elas: Uma líder palestra para motivar a equipe, apresenta casos de administradores de sucesso, mas suas feições são de cansaço e desânimo. Fica mais difícil de sua mensagem se tornar motivacional.

É fundamental que a linguagem verbal esteja em consonância com a não-verbal com ambas em concordância a mensagem é mais impactante, os resultados serão mais favoráveis, ganha a empresa que aumenta sua produtividade, evita conflitos e ganha os líderes e liderados com uma relação interpessoal tranquila, com índice de satisfação de clima organizacional melhor.



BIBLIOGRAFIA

AXTELL, ROGER E. – Gestos: um manual de sobrevivência gestual divertido e informativo, para encarar essa tal “globalização” – Editora Campus, 1994. BUENO, Wilson da Costa. Comunicação empresarial: teoria e pesquisa. Barueri, Ed. Manole, 2003.

CAMARGO, Paulo Sérgio. Linguagem Corporal – Editora Summus,

COHEN, David. A Linguagem do Corpo: O que você precisa saber – Editora Vozes, 1 ed. 2009.

CURVELLO, João José A. Comunicação interna e cultura organizacional. 2. ed. Brasília: Casa das Musas, 2012.

DARWIN, Charles. A Expressão das Emoções do Homem e nos Animais. Brasil: Ed. Companhia de Bolso. 1° Ed – 2009.

DE GOIS, Aline Katia; NOGUEIRA, Maria Francisca Magalhães; VIEIRA, Nadia Vitorino. A linguagem do corpo e a comunicação nas organizações. Anagrama: Revista Científica Interdisciplinar da Graduação, São Paulo, v. 4, n. 4, p.1-12, jun./ago., 2011.

EKMAN, Paul. A Linguagem das Emoções: Revolucione sua comunicação e seus relacionamentos reconhecendo todas as expressões das pessoas ao redor – São Paulo: Lua de Papel, 2011.

FONSECA JÚNIOR, Wilson Corrêa da. Análise de conteúdo. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio Teixeira de. (org.). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Editora Atlas, 2005, p. 280-304.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Comunicação organizacional: surgimento e evolução das práticas, conceitos e dimensões. Texto inédito, 2005a. MOTTER, Maria Lourdes. Campo da Comunicação: cotidiano e linguagem. In: BACCEGA, Maria Aparecida (org.). Gestão de processos comunicacionais. São Paulo: Atlas 2002, p. 2947.

OLIVEIRA, Mary Elizabeth Sampaio de. Linguagem Corporal: a Importância Dessa Comunicação para o Psicólogo. Psicologado. Edição 08/2012.Disponível em: https://psicologado.com.br/psicologiageral/introducao/linguagem-corporal-a-importancia-dessa-comunicacao-para-o-psicologo >. Acesso em 26 Mar 2019.

PIRES, S. S.; Em que áreas posso usar a Comunicação Não-Verbal. Disponível em: http://linguagemcorporal.net.br/linguagem-corporal-comunicacao-nao-verbal/usos-da-linguagem-corporal Acesso em: 20 nov. 2011.

TOMPAKOW, Roland; WEIL, Pierre O Corpo Fala – A Linguagem Silenciosa da Comunicação Não-Verbal – Editora Vozes, 2009.

WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010. https://www.infoescola.com/historia/historia-da-comunicacao-humana/.

Disponível em1 9/02/2018.

Legislação das Assessorias de Comunicação nas Organizações. Disponível em: http://www.acaocomunicativa.pro.br/assessoria.pdf>. Disponível em: 20/07/2013.

http://www.administradores.com.br/artigos/academico/linguagem-do-corpo-comunicacao-alem-das-palavras/109485/. Disponível em 25/03/2019.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo